Pernambucanas desconhecem o câncer de colo do útero | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Há falta de informação também sobre as formas de diagnóstico e tratamento do terceiro câncer que mais mata mulheres no Brasil   Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, encomendada pela Roche Farma Brasil, aponta que 58% das pernambucanas não conhe...

câncer, útero, mulher, saúde, colo, ginecologia

Pernambucanas desconhecem o câncer de colo do útero

Publicado por: TVCARUARU
27/09/2016 10:33:27
Há falta de informação também sobre as formas de diagnóstico e tratamento do terceiro câncer que mais mata mulheres no Brasil
 
Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, encomendada pela Roche Farma Brasil, aponta que 58% das pernambucanas não conhecem o câncer de colo do útero, o segundo mais incidente no público feminino no estado e que mata uma mulher a cada 90 minutos no país. A falta de informação também chega aos exames de diagnóstico e tratamento da doença.
 
Dados da pesquisa mostram que, entre as mulheres do estado, 85% nunca realizaram o teste do HPV, teste específico para detectar o principal causador do câncer de colo do útero. Grande parte delas também nunca realizaram o papanicolau e a colposcopia, respectivamente 44% e 42%, exames de rotina ginecológica para este tipo de câncer. A maioria das mulheres realiza esses exames quando necessitam avaliação médica por outras causas e não de forma rotineira e regulada como propõe o programa de rastreamento de câncer de colo de útero no Brasil, conta a Dra. Carla Rameri de Azevedo, médica oncologista e pesquisadora do IMIP e clínica MultiHemo.
 
63% das pernambucanas dependem do Sistema Único de Saúde que demora, em média, 6 meses para concluir o ciclo de atendimento, que abrange desde a consulta inicial, passando pela realização do exame e à consulta de retorno. “A demora agrava o cenário, fazendo com que os tumores sejam diagnosticados já em estágios avançados”, relata Dra. Carla. Segundo a pesquisa, o médico é apontado como quem mais pode ajudar, com 42% das respostas.
 
De acordo com a especialista, quando sintomas como o sangramento já são aparentes, a paciente se encontra no estágio avançado da doença, o que acontece em 77% dos casos. Infelizmente, o tratamento da doença também é pouco conhecido, 57% não conhecem ou não se lembram de nenhum tipo. E, muito por conta disso, as entrevistadas apresentaram reações ruins sobre a doença. 34% delas pensam em morte, 27% têm sentimentos negativos e 13% apenas lembram-se da gravidade da doença, quando estimuladas.
 
“O acesso à prevenção e ao tratamento a contento são muito importantes para elas. Não somente pela maior chance de cura, como também na melhora na qualidade de vida”, completa a Dra. Carla Rameri. Entre as entrevistadas, 89% acham muito importante ter mais um dia de vida e 85% acreditam que o tratamento correto pode possibilitar mais tempo a elas.
 
Segundo a especialista, para o estágio avançado, o tratamento com bevacizumabe, novo medicamento disponível no Brasil, permite mais tempo de vida às pacientes. A combinação do medicamento com a quimioterapia isolada (cisplatina + paclitaxel) aumentou a expectativa média de vida em 30% e reduziu 33% na progressão da doença. “Trata-se do primeiro medicamento biológico que trouxe benefício em sobrevida global sem redução da qualidade de vida em pacientes com câncer de colo de útero nos últimos dez anos”, afirma Dra. Carla.
 

Comentários