Crise existencial: quem nunca teve? | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Por Prof. Dr. Mario Louzã, médico psiquiatra, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha. Membro Filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (CRMSP 34330)   Seja aos 18 ou aos 40 anos, quem nu...

crise, existencial, psiquiatra

Crise existencial: quem nunca teve?

Publicado por: TVCARUARU
21/09/2016 11:23:32

Por Prof. Dr. Mario Louzã, médico psiquiatra, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha. Membro Filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (CRMSP 34330)

 

Seja aos 18 ou aos 40 anos, quem nunca se questionou sobre sua vida: será que estou feliz no trabalho? Será que estou com a pessoa certa? Será que quero ter filhos? Ao longo de milhares, talvez milhões de anos, a espécie humana adquiriu a capacidade de refletir sobre si e o ambiente. O homem se deu conta de sua existência, percebeu que nasce, se desenvolve, envelhece e morre. Ao longo de sua existência, o homem se questiona e busca respostas para o fenômeno da vida, especialmente de sua vida.

 

De modo geral, os questionamentos encontram respostas que o tranquilizam e o homem segue sua trajetória relativamente feliz consigo mesmo. Eventualmente, porém, algumas questões não encontram respostas ou a vida lhe apresenta uma situação que o leva a uma reflexão mais profunda, e ele se sente diante de uma encruzilhada, devendo decidir qual direção tomar. Muitas vezes a escolha é dolorosa. Um bom exemplo se encontra no filme “A escolha de Sofia”, de 1982. Sofia (Meryl Streep), presa num campo de concentração nazista, é obrigada a escolher qual de seus dois filhos será morto. Se recusasse escolher, ambos seriam executados.

 

Uma crise existencial não é considerada propriamente uma doença ou um diagnóstico médico. Envolve, em geral, uma situação-limite para a pessoa, um questionamento sobre algum aspecto profundo e essencial de sua existência. Difere claramente de uma crise situacional, como um divórcio, por exemplo, ou uma crise inerente às diversas etapas da vida (adolescência ou meia-idade). Crises situacionais podem convergir e se aprofundar a ponto de se tornarem uma crise existencial. Quando ela se aprofunda, a pessoa pode vir a desenvolver uma depressão, que requer cuidado médico especializado.

 

As crises e adversidades da vida ocorrem de modo quase sempre imprevisível; a forma de lidar com a crise dependerá, em boa parte, da capacidade de resiliência da pessoa, em última análise de sua personalidade. Se a crise é muito intensa ou a pessoa tem pouca resiliência, ela precisará de ajuda profissional para lidar com a adversidade e desenvolver seu potencial de resiliência, de modo a ficar mais preparada para uma possível nova crise que a vida possa trazer. Psicoterapias, especialmente a Psicanálise, proporcionam a possibilidade de desenvolvimento pessoal, a partir da investigação do modo de ser da pessoa. A medida que a pessoa amplia e aprofunda o conhecimento de si mesma, passa a dispor de novos instrumentos para lidar melhor com as crises e dúvidas inevitáveis durante a vida.

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar