Casamentos e Divórcios: O Retrato social do Brasil em 2022

Publicado por: Editor Feed News
27/03/2024 17:31:15
Exibições: 85
Cortesia Editorial Pixabay/iStock
Cortesia Editorial Pixabay/iStock

Registros de Casamentos entre Pessoas do Mesmo Sexo Alcançam Novo Pico no Brasil em 2022

 

O número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, oficializados em cartórios de registro civil, registrou um aumento significativo de 19,8% em 2022 em comparação com o ano anterior. Com um total de 11 mil registros, este foi o número mais alto desde 2013, quando o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu que cartórios não poderiam se negar a celebrar esse tipo de união.

 

Os dados, provenientes das Estatísticas do Registro Civil, foram divulgados nesta quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro. A maioria dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo envolveu cônjuges femininos, representando 60,2% do total.

 

Apesar do aumento, os casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo ainda representam apenas 1,1% do total de 970 mil casamentos registrados no país em 2022, um incremento de 4% em relação a 2021.

 

Observou-se uma tendência de queda no número total de casamentos no país entre 2015 e 2020, atingindo o menor patamar em 2020 devido à pandemia de COVID-19. Apesar dos crescimentos registrados em 2021 e 2022, ainda não foi alcançada a média dos cinco anos anteriores à pandemia (2015 a 2019), conforme ressalta a pesquisadora do IBGE, Klívia Brayner.

 

O IBGE também notou um aumento na idade dos cônjuges ao longo do tempo. Em 2000, apenas 6,3% das mulheres casadas tinham 40 anos ou mais, enquanto em 2022 esse número subiu para 24,1%. Entre os homens, o aumento foi de 10,2% para 30,4% no mesmo período.

 

Em relação aos divórcios, foram contabilizados 420 mil casos em 2022, um aumento de 8,6% em relação a 2021. Em média, os homens se divorciaram em idades mais avançadas (44 anos) do que as mulheres (41 anos).

 

Os casamentos dissolvidos com menos de dez anos de duração representaram 49% dos casos em 2022, com uma média de duração dos casamentos em torno de 13 anos, em comparação com 16 anos em 2016.

 

Os divórcios judiciais concedidos em primeira instância responderam por 81,1% dos divórcios em 2022, com a maioria dessas dissoluções ocorrendo em famílias com filhos menores de 18 anos (47%).

 

Desde 2014, a guarda compartilhada tem sido uma opção crescente para pais divorciados em relação aos filhos menores, representando 37,8% do total em 2022, em comparação com apenas 7,5% em 2014.

 

Embora as mulheres ainda sejam as principais responsáveis pela guarda dos filhos menores após o divórcio, essa proporção tem diminuído gradualmente, passando de 85,1% em 2014 para 50,3% em 2022. Por outro lado, a parcela de homens assumindo a responsabilidade pela guarda diminuiu de 5,5% em 2014 para 3,3% em 2022.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados