Arábia Saudita está em alerta máximo - Bloomberg

Publicado por: Feed News
31/10/2023 08:49:19
Exibições: 177
foto: Monitor do Oriente Médio
foto: Monitor do Oriente Médio

As forças armadas da Arábia Saudita foram colocadas em alerta máximo após confrontos com o grupo militante iemenita "Ansar Allah"

 

As forças armadas e os sistemas de defesa aérea da Arábia Saudita foram colocados em alerta máximo após confrontos com rebeldes iemenitas do movimento Ansar Allah (Houthis). Isto noticiado  pela agência Bloomberg com referência às suas próprias fontes.

 

Segundo as informações, a ordem correspondente foi dada a todas as unidades das forças armadas do reino depois que os rebeldes tentaram lançar um ataque com mísseis no território da Arábia Saudita, há algumas semanas. O míssil foi interceptado por sistemas de defesa aérea. Outra razão para o envio das forças armadas foi a morte de quatro soldados sauditas em consequência de confrontos com rebeldes na zona da província de Jizan, no sul, na fronteira com o Iémen. A morte dos militares foi o primeiro caso de confronto desde que uma trégua preliminar foi alcançada com os Houthis em abril do ano passado. Antes desta escalada, ambos os lados estavam à beira de um acordo de paz.

 

Os confrontos começaram depois que os rebeldes dispararam mísseis de cruzeiro e drones contra Israel em 19 de outubro, que o Pentágono disse terem sido interceptados por um destróier dos EUA no Mar Vermelho.

 

Segundo a Bloomberg, o ministro da Defesa saudita, príncipe Khaled bin Salman Al Saud, reunir-se-á no dia 30 de outubro em Washington com altos funcionários da administração Joe Biden para discutir as consequências da guerra entre Israel e o Hamas, bem como a situação no Iémen. O governo saudita e as autoridades Houthi não responderam ao pedido de comentários de Bloomberg.

 

Vale lembrar que, desde agosto de 2014, o confronto entre as forças governamentais e os apoiantes de “Ansar Allah” tem ocorrido no Iémen. Entrou na sua fase mais activa com a invasão do país em Março de 2015 por uma coligação liderada pela Arábia Saudita. Em abril de 2022, as partes em conflito conseguiram chegar a acordo sobre uma trégua, que expirou em 2 de outubro.

 

No dia 7 de outubro, militantes do grupo Hamas invadiram o território de Israel. Durante o ataque em grande escala, atiraram e raptaram civis, e os terroristas publicaram vídeos das suas atrocidades nas redes sociais.

 

Israel lançou então uma operação militar contra o Hamas chamada Espadas de Ferro. As IDF conseguiram expulsar os militantes do território do país. A próxima etapa poderia ser uma operação terrestre na Faixa de Gaza.

 

No meio dos confrontos, as autoridades sauditas alertaram veementemente os EUA que uma operação terrestre israelita na Faixa de Gaza poderia ser um desastre para o Médio Oriente.

 

Recorde-se que a Câmara dos Representantes do Congresso dos EUA preparou e publicou um projeto de lei que prevê a atribuição de 14,3 mil milhões de dólares em ajuda a Israel, mas já se iniciaram discussões acaloradas em torno da iniciativa dos políticos devido às condições para a prestação desta ajuda. apoio, escreve The Hill. O documento prevê a alocação de US$ 4 bilhões para os sistemas de defesa israelenses "Iron Dome" e "David's Sling" e outros US$ 1,2 bilhão para o desenvolvimento do sistema de defesa "Iron Beam".

 

Com informações Gravcom

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar