Destruímos os invasores em escala de "artilharia" - A rotina de um Sniper ucraniano

Publicado por: admin
05/05/2023 10:28:39
Exibições: 96
Divulgação/Redes Sociais/Armyinform
Divulgação/Redes Sociais/Armyinform

Após a batalha, vi que minha mochila e capacete estavam crivados de balas, mas sobrevivi - atirador Petro

 

... Ele se levantou de manhã, arrumou sua mochila, foi trabalhar para entregar seus assuntos ao seu sucessor e foi para a guerra. Em poucos dias, tendo superado várias centenas de quilômetros perigosos do Estado de Lviv ao Estado de Mykolaiv, Petro travou a primeira batalha com os invasores russos. Era fevereiro de 2022, quando um talentoso jornalista, diretor criativo de um canal de TV, se transformou em um assassino de sangue frio de russos - um atirador de elite .

 

Primeiro: eu sobrevivi
Uma pessoa normal não se considera um herói do cinema e, mais ainda, não incorpora na realidade os truques alucinantes dos super-homens ou os frenesis da trama inventados pelos roteiristas para o entretenimento de um público entediado. "No entanto, nós, ucranianos, quebramos muitos padrões desde fevereiro de 2022. Fomos forçados a isso, caso contrário simplesmente não teríamos sobrevivido”, diz o atirador Petro. É difícil discordar dele, porque milhares e milhares de ucranianos fizeram a mesma escolha que ele...


Petro dedicou oito anos "entre guerras" ao seu amado jornalismo e subiu na carreira com confiança, passando de correspondente a editor-chefe de um dos canais de TV regionais. Apenas uma vez ele deixou seu emprego favorito por muito tempo - para o serviço militar.

 

"Nunca me ocorreu que me tornaria um franco-atirador", diz Petro, relembrando sua juventude. - Esta foi provavelmente a última profissão militar com a qual eu teria sonhado. Por exemplo, eu queria ser um segurança, outra vez um agente especial, mas não um atirador. Quando decidi entrar para o serviço militar, manifestei o desejo de ingressar nas tropas de assalto aerotransportadas, mas descobri que estava inscrito na "equipe" do Regimento Presidencial. Eu não queria muito servir lá, porque tinha medo de acabar no batalhão da guarda de honra: tinha algum preconceito contra essa unidade "perfurada". Mas aconteceu como aconteceu. Porém, durante o chamado curso de um jovem lutador em "Desna", os comandantes, tendo estudado os resultados do meu tiro, decidiram por mim, disseram: você servirá em uma companhia de atiradores. Eu estava surpreso: Existe uma companhia de atiradores no Regimento Presidencial? Descobriu-se que existe.

 

— Graças ao tempo de serviço na companhia de atiradores "presidenciais" e à experiência teórica e prática que lá adquiri, em primeiro lugar, sobrevivi às batalhas durante uma invasão em grande escala e, em segundo lugar, faço o meu trabalho com perfeição, — observa Petro .

 

Após o cumprimento do serviço militar, ingressou na reserva da primeira linha, assumindo com alto grau de probabilidade, nova escalada da guerra contra a Ucrânia pela Rússia:

 

— Era óbvio para mim que a guerra continuaria e se intensificaria, e a pessoa deveria estar pronta para pegar em armas. Deixe-me explicar meu ponto de vista: devido à minha profissão, monitorei diariamente o espaço de informações, principalmente o russo, e havia muitas informações bastante características que mostravam que a Rússia está realmente se preparando para algo sério, e devemos também estar preparado para os piores cenários possíveis. Eu estava pronto, então, na manhã de 25 de fevereiro, cheguei ao posto de controle de uma brigada de assalto aerotransportada separada.

 

24 de fevereiro de 2022: plano de ação pessoal

- Lembro-me muito bem desse dia. Como minha amada está no exército, ela foi chamada antes do amanhecer, informada de que a Federação Russa havia lançado uma invasão em grande escala e ordenada a se reportar à unidade. Foi quando eu entendi que a guerra tinha começado, - afirma Petro. — Esse entendimento foi confirmado por telefonemas de parentes das regiões do norte da Ucrânia, de amigos que moravam perto de algumas importantes infraestruturas. Em uma só voz, eles disseram que eram mísseis russos que voavam contra nós.

 

Então Pedro agiu com clareza de acordo com um plano de ação pessoal em caso de guerra, elaborado e pensado nos mínimos detalhes.

 

- Peguei minha bolsa de ombro, fui trabalhar, resolvi as formalidades com os documentos de entrega do cargo e fui para Lviv, para a brigada de assalto aerotransportada. Lá, simplesmente cheguei ao portão da unidade militar, eles abriram para mim, verificaram minha carteira militar, especificaram minha especialidade militar e me incluíram na unidade - o jovem sniper  de alguma forma relata sem emoção os acontecimentos de um ano atrás. — Em poucas horas, os oficiais selecionaram os especialistas necessários entre os voluntários reservistas como eu e formaram uma equipe. Perguntaram-me: "Você está pronto para ir para a guerra?". "Sim, pronto!", respondi. Então alguém acrescentou: "Você vai ter muito trabalho."

 

Então o curso dos eventos se desenrolou muito rapidamente.

As primeiras batalhas no sul

À noite, a "equipe coletiva" foi para a frente, como se viu - para o sul. Eles estavam acelerando durante a noite, e carros nos quais pessoas pacíficas fugiam da horda russa, armados até os dentes, avançavam em direção a eles em um fluxo contínuo. Em sua memória, Peter guardou impressões um tanto surreais da marcha noturna pelo turbulento país:

Estamos dirigindo em uma rodovia vazia na direção da guerra, na pista que se aproxima milhares de carros, e lá dentro pessoas, animais de estimação, coisas empalhados às pressas... Uma espécie de espetáculo apocalíptico.



Naquela época, havia rumores sobre a possibilidade de desembarques russos em nossa retaguarda, em territórios bastante distantes da zona OSS. Foi perturbador.

 

Os voluntários chegaram ao ponto de encontro no escuro, receberam equipamentos e armas padrão, preencheram seus documentos e começaram a se preparar para a batalha.

 

- Era uma espécie de esteira rolante, ponto de partida para muitos reservistas. De lá deveríamos avançar para Voznesensk, mas literalmente no momento do embarque nos carros chegou a informação de que os russos haviam iniciado um assalto à cidade. Para não cair no caos da batalha ou sob fogo amigo, a partida foi adiada, tivemos que pernoitar em algum quarto adequado.

 

No dia seguinte, os pára-quedistas foram levantados antes do anoitecer e enviados para Voznesensk: o ataque do inimigo foi repelido e as tropas russas foram expulsas da cidade.

 

- Pelo que entendi, naquele momento a situação era a seguinte: os russos chegaram a certos assentamentos, mas encontraram forte resistência (nós os vencemos bem) e começaram a recuar lentamente, - reflete Petro. — Nós, reservistas, tendo nos juntado a outras unidades da brigada, passamos a realizar tarefas de combate. Em particular, nossa unidade primeiro derrotou os ocupantes ao sul de Voznesensk, depois liberamos a rodovia Kirovohrad e os empurramos até o distrito de Sniguriv.

 

Em caminhonetes contra tanques
Na primavera de 2022, a frente sul era um dos pontos mais quentes da guerra russo-ucraniana. Os inimigos concentraram aqui forças significativas, que somavam centenas de unidades de veículos blindados e instalações de artilharia. Aeronaves de combate estacionadas na Crimeia e na Frota do Mar Negro da União Soviética trabalhavam no interesse desse grupo.

 

- Tentamos chegar a Kherson, vindo da região de Mykolaiv, mas nos deparamos com uma forte defesa inimiga, - Petro continua a história. - É preciso entender que nossas Forças de Defesa, embora obrigassem os russos a recuar em direção a Kherson, conseguiram se firmar nas linhas vantajosas para a defesa. Eu tive que suar um pouco aqui.

 

Além disso, nesta parte da frente, as tropas ucranianas enfrentaram duas circunstâncias de importância crítica: em primeiro lugar, o inimigo conseguiu organizar minuciosamente suas posições em termos de engenharia, simplesmente falando, cavando bem e, em segundo lugar, saturar os territórios ocupados com uma enorme quantidade de veículos blindados pesados. Se somarmos a vantagem na aviação e na artilharia, não é difícil imaginar as dificuldades de combater nesta parte da frente. Além disso, deve-se levar em conta que naquela época as Forças de Defesa da Ucrânia tinham que conduzir operações de combate em uma frente bastante ampla, pelo que foram dispersas.


- Acho que nessas condições alcançamos o máximo sucesso possível: liberamos e limpamos um número significativo de assentamentos - acredita Petro.

 

E então o período de guerra posicional começou. Porém, as unidades das tropas de assalto aerotransportadas, dada a sua finalidade, não ficaram muito tempo sentadas nas trincheiras, pois a sua função é conduzir as operações de assalto, que devem terminar com eficácia.

 

— Começamos a entrar na região de Kherson pela região de Dnipropetrovsk. Lá também conseguimos recapturar várias aldeias e depois as defendemos por várias semanas. Acontece que, se não houver possibilidade de nos substituir por uma unidade de infantaria mecanizada, vamos totalmente para a defensiva, cavamos e mantemos posições como a infantaria, - explica Petro.

 

Este período de luta no sul definitivamente entrará nos anais da história desta guerra. Muitas batalhas desesperadamente corajosas aconteceram nessa direção, nossos meninos lutaram bravamente, no estilo cossaco. "Por exemplo, conseguimos recuperar aldeias com perdas mínimas e invadir pára-quedistas russos, "embalados" até a coroa com veículos blindados regulares, atacando-os em picapes civis, reforçados apenas por AGS e metralhadoras", lembra Petro daqueles dias com um sorriso.

 

Distâncias de "não trabalho"
O que Petro lembrava com especial clareza nas batalhas do sul era o terreno da estepe, seu amplo espaço e raros pousos, cuja distância era de 2 a 3 quilômetros.

- Geralmente são distâncias "não funcionais" para atiradores de elite, rifles padrão não atiram a essa distância - explica ele. — Mais um vento forte, o maior inimigo do atirador. Isso atrapalha ou não permite que você faça um bom tiro, o que sempre é esperado de você.

 

De fato, devido a tais condições naturais, os atiradores de elite se dedicavam principalmente ao reconhecimento e observação e, se necessário, apoiavam ataques a áreas povoadas - tanto com fogo de franco-atirador quanto com ajuste de fogo de artilharia.

 

Para ajustar a artilharia, o inimigo avançava para as linhas de reconhecimento, o mais próximo possível das posições inimigas. Nesses momentos, alguma emoção irritante e estranha apareceu em Petro, não pena, mas um sentimento de irrealidade do que estava acontecendo: aqui você está observando os russos ainda vivos, observando-os fazer algo com o equipamento, organizar suas vidas e você deu as coordenadas e está esperando nosso ataque de artilharia. Um momento se passa e você já vê como todos ficam fisgados, mas em vez de capturar e viver esse momento de forma "jornalística", você ajusta a arte repetidamente, querendo uma coisa: fazer com que bata melhor e queime mais.

 

— Não era um pouco "estilo atirador", mas nessas situações a auto-estima crescia, porque destruímos o pessoal do inimigo em em escala de artilharia, diz Petro.

(Continua mais aqui )

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários