Aos 74 anos, a pernambucana Ceiça Moreno faz show no Teatro Cesgranrio | TVCARUARU.com 100% Internet

Com produção musical de Fabio Barreto e arranjos de João Carlos Coutinho, a cantora e compositora destaca nas seis faixas o protagonismo da mulher nordestina e a religiosidade   Quando subiu pela primeira vez ao palco do The V...

ceiça, cantora, moreno, pernambuca

Aos 74 anos, a pernambucana Ceiça Moreno faz show no Teatro Cesgranrio

Publicado por: Redação
06/10/2021 15:55:04
Divulgação
Divulgação

Com produção musical de Fabio Barreto e arranjos de João Carlos Coutinho, a cantora e compositora destaca nas seis faixas o protagonismo da mulher nordestina e a religiosidade

 

Quando subiu pela primeira vez ao palco do The Voice+, no ano passado, a pernambucana Ceiça Moreno jamais imaginou que um novo mundo se abriria naquele momento. Quase um ano depois, Ceiça reafirma a máxima do reality de que “sonhos não envelhecem”, e aos 74 anos, lançará no próximo dia 8 de outubro seu EP autoral de seis faixas: “Meu Luar”, com distribuição via Tratore. 

 

A cantora e compositora, oriunda da cidade de Moreno, interior de Pernambuco, carrega uma história de mais de 60 anos de carreira e de parceria ao lado da sua inseparável sanfona, presente em todas as faixas do EP, que abusam dos ritmos tradicionais do Nordeste como o coco de roda, a ciranda, o xote, o baião e o arrasta-pé, com roupagens tradicionais. Nas letras, muito romantismo e poesia.

 

Em “Meu Luar”, Ceiça se une a um time de peso: o produtor musical Fabio Barreto e o arranjador João Carlos Coutinho, responsáveis por trazer à luz as seis faixas do disco: “Lavadeira”, primeiro single, lançado dia 24/9, além de “Meu Luar”,  “Ciranda do Asfalto” e “Acorda Povo”, canções autorais de Ceiça. Completam o EP o poema “Louvar”, de Cacaso e musicado por José Miguel Wisnik, que ganhou arranjos novos de João Carlos Coutinho; e a regravação de “Ave Maria dos Seus Andores”, emblemática canção que ganha interpretação única na voz da artista.

 

Na faixa “Louvar”, Ceiça ainda conta com a participação de Rodrigo Faria na voz. A produção e idealização do projeto é de Hildo de Assis, as fotos são de Robson Monteiro e a capa do EP é assinada pela cantora e compositora Mariana Volker, amiga de Ceiça.

 

O lançamento será acompanhado de uma audição para convidados, que acontece no dia 2 de outubro, às 19h, na Casa Rio; e de um show de lançamento: dia 9 de outubro, às 20h, no Teatro Cesgranrio, no Rio de Janeiro, com todo o seu time de músicos, os mesmos do EP: Fabio Barreto na bateria, Tuca Alves nos violões, Rômulo Gomes no baixo, Giló e Zé Leal na percussão. 

 

Ceiça Moreno e Rodrigo Faria. Foto de Robson Monteiro

 

Unindo suas duas maiores bandeiras, o Nordeste e a sua religiosidade, Ceiça Moreno aposta em canções que retratam as suas raízes, a força da mulher nordestina e que trazem lembranças e histórias vividas pela artista.

 

- O The Voice me abriu uma porta. Eu entrei por essa porta e ela me trouxe tantas surpresas boas! Desde o programa, fiz shows, conheci tanta gente, ganhei uma sanfona nova... Me senti no eximio mundo musical e agora saindo o EP é mais um sonho se tornando realidade - conta ela, sentindo-se grata também à sua fé e a todos que torceram por ela no programa.

 

Sempre com muito bom humor e um sorriso no rosto, Ceiça se emociona ao olhar para o novo trabalho, que só foi possível graças a um financiamento coletivo. Ceiça não lançava trabalhos inéditos há cerca de cinco anos.

 

- O meu sentimento, a minha história, a minha raiz estão nesse EP. Eu sinto que é um trabalho que tem a minha cara, estou muito orgulhosa e agradecida: eu trago meu romantismo, meu amor, minha poesia. Aos 74 anos, me sinto em plena atividade musical. Gravar esse EP foi um sonho - afirma Ceiça.

 

Conheça “Meu Luar”
Faixa a faixa, por Ceiça Moreno 

Meu Luar

“A lua cheia na minha terra // É tão bonita que me faz sonhar // E quando sento lá na calçada // Eu fico encantada com meu luar”.

 

Ceiça Moreno é apaixonada pelo “meu luar”, como costuma dizer referindo-se ao luar do Nordeste. Nesta canção, uma toada, ela declara todo esse amor à sua terra, às suas raízes e ao luar de Pernambuco.

 

- Quando eu comecei a estudar sanfona, aos 9 anos, eu me sentava na pedra em frente à minha casa e ficava cantando, cantando, cantando... Embalando os sonhos da vizinhança toda. Era tudo tão romântico! E o luar de Moreno era encantador. O luar da minha terra é a coisa mais linda do mundo - diz.

 


Ceiça Moreno. Foto de Robson Monteiro

 

Lavadeira

“Lavadeira das roupas de Jesus // Lavadeira pesada tua cruz // Tanto choro, quanta dor // Já se foram as trevas // E a Luz chegou // Muita mágoa e dissabor // Já se foram as trevas // E a Luz chegou”.

 

“Lavadeira” é um coco de roda composto por Ceiça Moreno e inspirado em suas observações de criança. Ceiça explica que a lavadeira da canção é um pássaro lindo, que sempre estava nas pedras, quando ela tomava banho de rio, ainda criança em Moreno. A escolha pelo coco de roda não foi por acaso, já que sua família sempre foi adepta da dança em cerimônias familiares.

 

- Sempre fui muito apaixonada pelo canto dos pássaros e eu ficava encantada com a elegância das lavadeiras. Eu perguntava para a minha avó sobre o pássaro e ela dizia: “essa é a lavadeira que lavou as roupas de Jesus”. Aquilo me marcou. Quando adulta, eu não vi mais lavadeiras no rio. Sabe onde eu fui encontrá-las? No asfalto! Essa ideia da lavadeira ir pro asfalto mexeu muito comigo e transformei essa jornada da lavadeira em canção - conta ela, que completa: - O coco de roda marcou a minha vida e a minha infância, é uma alegria gravar essa faixa e compartilhar esse amor.

 

Ciranda do Asfalto

“Minha ciranda é do asfalto // Mas o balanço é das pancadas do mar // Na lua cheia a noite é prateada // E o povo sofrido, só quer cirandar”

 

Em “Ciranda do Asfalto”, Ceiça Moreno resgata a memória da ciranda nordestina e de Lia de Itamaracá, cantora e compositora expoente da música pernambucana, conhecida pelas cirandas. A faixa traz versos apaixonados pelo Nordeste e que exaltam a alegria do ritmo.

 

- Antigamente, as cirandas eram na beira da praia. E Lia de Itamaracá era conhecida nas cirandas praianas. Mas, com o passar dos anos, a ciranda ganhou o mundo e foi para o asfalto. Essa música fala sobre a alegria da ciranda, sobre a tradição do ritmo e sobre como ele agora é do mundo! - relata.

 

Acorda, Povo

“Acorda povo, é noite de São João // Vamos acender a fogueira // Pra esquentar nosso coração // Tem coco e quadrilha // Xote e baião // Ciranda e xaxado // Adivinhação // Tem bolo e canjica // Bandeira é pequeno balão // Pifeiro e bacamarteiro // E os sanfoneiros do Gonzagão…”

 

“Acorda, Povo” é uma das faixas mais tradicionais do álbum e que faz um resgate cheio de amor e saudade às festas de São João.

 

- Quando eu era criança, a gente saía de madrugada de casa, na véspera do São João com um grupo de pessoas e uma estrela bem grande, iluminada, sendo carregada. E todos cantavam: “acorda povo que o galo cantooou… São João chegou!”. Era lindo demais, demais! A canção foi inspirada nessa memória e eu quero que as pessoas pensem na beleza, na tradição, em toda essa inspiração que o São João traz, ainda mais hoje em dia, que não podemos mais fazer festa nessa época - comenta Ceiça, que na letra retrata tudo o que São João do Nordeste tem.

 

- Quero que as pessoas ouçam essa música e que sintam a mesma saudade que eu - conclui.

 


Ceiça Moreno e sua inseparável sanfona. Foto de Robson Monteiro

 

Louvar

“Me dá licença de cantar // Também de agradecer // Coragem pra querer // Um verso pra louvar // Louvar à gente do lugar // Louvar quem vai nascer // Quem vai permanecer // Também quem vai passar”

 

Parceria com o cantor paulista e radicado no Rio, Rodrigo Faria, “Louvar” é uma versão musical do poema de Cacaso, musicada nos anos 1980 por José Miguel Wisnik e que ganhou novos arranjos de João Carlos Coutinho.

 

- “Louvar” lembra muito essa época que estamos vivendo. O poema pede licença para louvar os que estão nascendo, os que estão ficando e os que estão indo. É muito forte! Eu me apaixonei completamente por esse poema e foi uma alegria fazer um dueto com o Rodrigo Faria, a interpretação dele é linda - completa.

 

Ave Maria dos seus Andores

A pedido de uma palhinha do cantor Daniel, Ceiça Moreno cantou “Ave Maria dos seus Andores” no The Voice+ e encantou o Brasil. É claro que a tradicional canção - que resgata a religiosidade e espiritualidade de Ceiça - não poderia ficar de fora.

 

- Essa canção precisava estar no EP. Quando Daniel me pediu para dar uma palhinha e eu cantei Ave Maria…  ele acertamos em cheio. Essa música me trouxe, me despertou, me fez sentir uma emoção muito grande e resgatou minha alma de artista. Com muita força. Além, é claro, dela falar de Nossa Senhora, da minha fé - conclui.

 

Ouça agora mesmo “Meu Luar” em todas as plataformas digitais.


“Meu Luar” - FICHA TÉCNICA:
Intérprete, compositora e sanfona em todas as faixas: Ceiça Moreno

Voz na música “Louvar”: Rodrigo Faria
Direção de produção e Idealização: Hildo de Assis
Produção Musical: Fabio Barreto
Arranjos , piano  e sanfona: João Carlos Coutinho
Bateria: Fabio Barreto e Gravação
Violões: Tuca Alves
Baixo elétrico e Acústico: Rômulo Gomes
Percussão: Giló e Zé Leal
Backing vocal: Nina Pancevski, Fabio Barreto, Raimundo Luiz, Giló, Zé Leal.
Mixado e Masterizado no estúdio FBarreto por Roberto Junior
Assessoria de Imprensa: Prisma Colab
Projeto gráfico: Mariana Volker
Figurino: Kiara Bianc
Fotos: Robson Nogueira
Luz e cenário: Paulo Denizot
Assistente de produção: Elquires Sousa.
Ass. Pessoal Ceiça Moreno: Marcolino Neto
Realização: Hassis Produções

 

SERVIÇO - SHOW:
Ceiça Moreno apresenta o EP “Meu Luar”

Data: 9 de outubro - sábado
Onde: Teatro Cesgranrio - R. Sta. Alexandrina, 1011 - Rio Comprido, Rio de Janeiro.
Horário: 20h
Ingressos: Sympla - Transmissão ao vivo
Valor: R$15
A casa trabalha com capacidade reduzida, obedecendo às regras sanitárias impostas da pandemia de covid-19.

Siga Ceiça Moreno: https://www.instagram.com/ceica_moreno/

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários