Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios) | TVCARUARU.com Televisão via Internet

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem.    Ao longo dos últimos meses (quase...

noticias, jornalismo, reportagens, investigação, economia, denúncias

Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Publicado por: Redação
28/10/2020 12:32:05
Cortesia Pixabay
Cortesia Pixabay

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem. 

 

Ao longo dos últimos meses (quase um ano), com mais de 37 milhões de casos de covid-19 e mais de 1 milhão de mortes em todo o mundo, toda a gente se pergunta quanto tempo é que faltará até a pandemia terminar.

 

Epidemiologistas e especialistas em saúde pública têm usado modelos matemáticos para tentar prever o futuro num esforço para conter a disseminação do novo coronavírus. Mas a modelagem de doenças infeciosas é complicada e um estudo publicado na revista Nature alerta que os “modelos não são bolas de cristal” – mesmo versões sofisticadas, não conseguem revelar quando é que a pandemia irá terminar ou quantas pessoas irão morrer.

 

Quando a covid-19 apareceu, esperava-se que o vírus simplesmente desaparecesse e alguns argumentaram até que desapareceria com o calor do verão ou que a imunidade de grupo resolveria o problema. Mas isso não aconteceu.

 

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia – desde testes e rastreamento de contactos ao distanciamento social e uso de máscaras – provou ajudar. Mas dado que o vírus se espalhou por todo o mundo, tais medidas não ditaram o fim e todos os olhos se voltaram para o desenvolvimento de vacinas.

 

No entanto, os especialistas dizem que mesmo com uma vacina bem-sucedida e um tratamento eficaz, a covid-19 pode nunca desaparecer. Mesmo que a pandemia seja contida numa parte do mundo, provavelmente continuará noutros lugares e o vírus irá tornar-se endémico – o que significa que a transmissão lenta e sustentada persistirá.

 

Uma vez que surgem, as doenças vêm para ficar

De acordo com o The Conversation, sejam bactérias, vírus ou parasitas, todos os patógenos de doenças dos últimos milhares de anos continuam ativos, visto ser quase impossível erradicá-los totalmente.

 

A única doença que desapareceu por meio da vacinação foi a varíola, cujas campanhas de vacinação lideradas pela Organização Mundial de Saúde nas décadas de 1960 e 1970 foram bem-sucedidas e, em 1980, a doença foi declarada a primeira doença humana a ser totalmente erradicada.

 

Doenças endémicas como a malária, que é transmitida via parasita, são quase tão antigas quanto a humanidade e ainda hoje estão presentes e infetam pessoas em várias partes do mundo – em 2018, houve cerca de 228 milhões de casos de malária e 405 mil mortes em todo o mundo.

 

Da mesma forma, doenças como a tuberculose, a lepra e o sarampo existem há vários milénios e, apesar de todos os esforços, a erradicação ainda não está à vista.

 

Mesmo as infeções que têm agora vacinas e tratamentos eficazes continuam a tirar vidas, como é o caso da peste negra, que é a doença infeciosa mais mortal da história humana.

 

Nos últimos cinco mil anos, houve pelo menos três pandemias de peste negra que mataram centenas de milhões de pessoas, sendo a mais notória de todas em meados do século XIV. E hoje em dia, encontram-se várias semelhantes da peste com o novo coronavírus.

 

Além disso, numa época de viagens aéreas globais, mudanças climáticas e distúrbios ecológicos, estamos constantemente expostos à ameaça de doenças infecciosas emergentes, enquanto continuamos a sofrer de doenças muito mais antigas que permanecem vivas.

 

Um estudo sobre a carga global de doenças revela que a mortalidade anual causada por doenças infeciosas é quase um terço de todas as mortes no mundo.

 

Quando os programas de vacinação são enfraquecidos, as infeções podem voltar com força total. Basta olhar para o caso do sarampo e da poliomielite, que reaparecem assim que os esforços de vacinação diminuem.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Ganhe Dinheiro Revendendo Roupas

Vídeos relacionados