Qual é a maneira mais provável de se contaminar pelo Covid-19? A Ciência oferece resposta | TVCARUARU.com 100% Internet

Transmissão por contato com superfícies ou transmissão via aérea através de partículas? Cientistas sugerem qual é a forma mais provável de ser infectado com o novo coronavírus.   Em março, ainda nos estágios iniciais da pandemia de covid-19, o médico n...

corona, virús, pandemia, epidemia, contágio, mortes, china, wuhan, oms, notícias, infectologistas

Qual é a maneira mais provável de se contaminar pelo Covid-19? A Ciência oferece resposta

Publicado por: Redação
28/09/2020 15:38:57

Transmissão por contato com superfícies ou transmissão via aérea através de partículas? Cientistas sugerem qual é a forma mais provável de ser infectado com o novo coronavírus.

 

Em março, ainda nos estágios iniciais da pandemia de covid-19, o médico norte-americano Jeffrey VanWingen divulgou um vídeo no YouTube, no qual aconselhava as pessoas deixar as compras de supermercado ao ar livre durante três dias, borrifar desinfetante em cada produto e mergulhar frutas em água com sabão. O objetivo de todo este processo era desinfetar os produtos que potencialmente poderiam carregar o novo coronavírus.

 

Agora que temos mais conhecimento sobre a doença, sabemos que alguma das dicas de VanWingen são desnecessárias e até mesmo perigosas. De momento, os cientistas dizem que o maior risco de infecção vem da inalação do que outra pessoa infetada está exalando. Usar uma máscara parece a solução mais prática e segura.

 

A teoria de que o novo coronavírus se podia espalhar ao entrar em contacto com objetos que carregam o vírus não é descabida. Afinal de contas, é assim que cientistas e epidemiologistas acreditam que a maioria das doenças respiratórias se espalha, escreve o portal Elemental. É por isso que devemos lavar as mãos antes de comer ou preparar comida, por exemplo.

 

Novos estudos sugeriram que o Sars-COV-2 sobrevivia 24 horas em cartão e 72 horas em plástico. Como tal, recomendou-se a lavagem e higienização das mãos como a primeira linha de defesa.

 

O professor de microbiologia e bioquímica da Universidade Rutgers, Emanuel Goldman, diz que as recomendações foram feitas com base nas experiências erradas.

 

“Eles começaram com uma quantidade enorme e totalmente irreal de vírus no início da experiência, e então, com certeza, encontraram o vírus no final. Mas eles começaram com muito mais do que você jamais encontraria na vida real”, explica Goldman.

 

“Você teria que ter 100 pessoas a tossir e espirrar numa pequena área da superfície para obter a quantidade de vírus que foi usada nos estudos que relataram a sobrevivência do vírus nas superfícies”, acrescenta.

 

Um outro estudo sugere que o vírus vai morrendo aos poucos, em que a cada seis horas, 50% do vírus enfraquece e torna-se inativo ou não infeccioso.

 

Em maio, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças adiantou que a infecção através do contato com superfícies não era significativo. Em contrapartida, o contacto com partículas de mucosa e saliva no ar era a principal causa.

 

Quando expelimos ar, seja ao, tossir ou até a respirar, pequenos pedaços de saliva são expelidos. Enquanto as partículas mais pesadas caem rapidamente ao chão, as mais leves ficam no ar durante mais tempo. Estar em contato próximo com alguém aumenta o risco de ficar exposto às pequenas partículas que estão a ser expelidas.

 

Muitos cientistas pensam que é assim que a maioria das pessoas são infectadas com o coronavírus.

 

“Não é que (a disseminação através da superfície) não possa acontecer, é apenas que a probabilidade é menor do que se alguém estivesse realmente à sua frente, a respirar o vírus vivo nas gotículas em você”, diz Nahid Bhadelia, médica de doenças infecciosas e professora da Escola de Medicina da Universidade de Boston. “Este é um inóculo muito maior, é muito mais provável que haja muito mais vírus vivo nele, por isso é um risco maior”.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários