Grupo de 80 empresários pernambucanos se unem e doam 50 respiradores | TVCARUARU.com Televisão via Internet

Cada aparelho custa, em média, R$ 52 mil e é considerado crucial para pacientes com quadro respiratório grave; equipamentos devem ser entregues em até 60 dias   À medida que o mundo busca soluções para impedir o avanço do novo coronavírus, a solidaried...

noticias, artigos, notas, releases, pautas, tv, acontecimentos, fatos, reportagens

Grupo de 80 empresários pernambucanos se unem e doam 50 respiradores

Publicado por: Redação
31/03/2020 13:22:52
Divulgação
Divulgação

Cada aparelho custa, em média, R$ 52 mil e é considerado crucial para pacientes com quadro respiratório grave; equipamentos devem ser entregues em até 60 dias

 

À medida que o mundo busca soluções para impedir o avanço do novo coronavírus, a solidariedade de 80 empresários de setores como alimento e reciclagem tem feito a diferença no estado. Esse grupo de industriais, em parceria com o segmento privado de outros estados, se uniram e compraram 50 respiradores para centros de saúde locais. A previsão é que os equipamentos cheguem em até 60 dias.

 

O presidente da Lorenpet, Marcelo Holanda Guerra, é um dos empresários que participou da mobilização. Responsável por uma indústria de reciclagem de garrafas pet, Guerra conta que entrou nessa corrente do bem por acreditar que essa luta é de todos. “Nosso principal objetivo é salvar vidas. Não há prioridade e importância maior que a vida nesse momento”, afirma. 

 

Cada aparelho custa, em média, R$ 52 mil. O equipamento é considerado crucial porque um dos sintomas da Covid-19 é a dificuldade em respirar, o que exige intervenção mecânica para preservar a vida do infectado, especialmente em casos graves.

 

“Essa é uma pandemia que se alastra assustadoramente. Por isso, toda e qualquer medida para combatê-la tem sua importância. A nós, coube dar condições de um tratamento que, certamente, salvará vidas”, diz Celso Maia Duarte, presidente da Cipan Alimentos, companhia que produz alimentos derivados do trigo e emprega 700 funcionários. Ele também faz parte do grupo de industriais que contribuiu para a compra dos aparelhos.

 

“Sinceramente, gostaria de ouvir dos hospitais beneficiados que, em virtude de terem encontrado a cura, não precisaram usar o equipamento. Mas, independentemente disso, esperamos que seja muito útil para àqueles que precisarem e que salve muitas vidas”, espera Duarte. 

 

Assim como os empresários, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) têm adotado medidas para atender a demanda por equipamentos e insumos de saúde. A instituição abriu um Edital de Inovação para a Indústria, que prevê, por exemplo, a recuperação de aparelhos danificados e a aquisição e produção de materiais essenciais para o enfrentamento da crise, como álcool em gel e máscaras. 

 

“A nossa atuação será no suprimento de problemas, como os testes rápidos para a detecção da doença. No isolamento, ter uma gama ampla desses testes vai ser de grande importância, bem como a fabricação de ventiladores (respiradores). Estamos focando em ações do Sistema Indústria que vão ao encontro das necessidades da sociedade, do país e da indústria brasileira”, afirma o diretor de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Rafael Lucchesi, que reforça a importância de “salvar vidas”.

 

O edital vai focar em propostas de soluções que tenham aplicação imediata e com resultados em até 40 dias. Na última quinta-feira (26), foi aberta a segunda chamada e, até o momento, serão investidos, no total, R$ 30 milhões. As proposições podem ser realizadas por meio do WhatsApp, no número (61) 99628-7337, ou pelo e-mail combatecovid19@senaicni.com.br.

 

A educação também tem sido aliada nesse período em que milhões de brasileiros precisam ficar confinados dentro de casa. Por isso, o SENAI abriu vagas gratuitas em cursos a distância voltados à indústria 4.0, que inclui temas ligados à tecnologia. Também será possível aprender mais sobre Inteligência Artificial, com aplicações na indústria, e programação móvel para Internet das Coisas (IoT). Os cursos têm carga horária de 20 horas e estarão disponíveis até junho. Para ter acesso aos cursos e às vagas, basta acessar a plataforma Mundo SENAI e fazer um cadastro simples.

 

Em relação aos cuidados com a saúde dentro das fábricas, o setor redobrou as medidas de prevenção e vigilância para impedir a disseminação do novo coronavírus entre os trabalhadores, principalmente os que não estão em isolamento. O SESI lançou uma cartilha online que traz recomendações que vão desde como identificar casos suspeitos, formas de transmissão e grupos de maior risco para a Covid-19, até um passo a passo para ajudar empresas a criarem planos de contingenciamento da doença e a envolverem fornecedores e operadoras no combate à pandemia.

 

Para amenizar os efeitos da Covid-19 e proteger quem produz e quem consome, além do SENAI e do SESI, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e as Federações das Indústrias dos 26 estados e do DF têm levado informação e tomado medidas para reduzir os impactos econômicos e preservar vidas por meio da campanha nacional “A indústria contra o coronavírus”. Mais informações podem ser acessadas nas redes sociais de cada instituição.    

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Ganhe Dinheiro Revendendo Roupas

Vídeos relacionados