Juizado mantém cobrança diferenciada de ingressos para homens e mulheres | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

A juíza titular do 4º Juizado Especial Cível de Brasília julgou improcedentes os pedidos feitos por um consumidor contra a R2 Produções. O autor havia pleiteado a concessão de tutela de urgência para que a produtora fosse compelida a lhe vender entrada...

shows, festas, são, joão, campina, grande, caruaru, forró, channel, shop, video, clipes, musica, sound, musicas, sons, trilhas, vídeo, clipes, cantores, cantoras, bandas

Juizado mantém cobrança diferenciada de ingressos para homens e mulheres

Publicado por: Redação
28/08/2017 19:48:30

A juíza titular do 4º Juizado Especial Cível de Brasília julgou improcedentes os pedidos feitos por um consumidor contra a R2 Produções. O autor havia pleiteado a concessão de tutela de urgência para que a produtora fosse compelida a lhe vender entradas para dois eventos no “Na Praia” pelo mesmo valor cobrado para o público feminino, cujo valor de ingresso é inferior ao masculino. Havia pedido também que a empresa vendesse todos os ingressos pelo menor preço para homens e mulheres, indistintamente, sob pena de multa a ser estabelecida em Juízo.

 

A tutela de urgência foi indeferida em 6/6/2017. Posteriormente, foi realizada audiência de conciliação, mas sem acordo entre as partes. No exame do mérito, a magistrada entendeu que o autor não possui a legitimação extraordinária para exigir eventuais direitos em favor de terceiros. E também considerou – em relação ao pedido para que a requerida lhe fornecesse ingressos pelo preço do feminino, menor – que não se configurou a alegada publicidade enganosa por parte da ré, “eis que não verifico a existência de ato ilícito ou abusividade na referida conduta da empresa”.

 

A juíza acrescentou ainda: “Entendo que não há que se falar em violação a direito fundamental à igualdade de gênero, tendo em vista que o próprio eixo central da política de igualdade de gênero busca prestigiar a mulher e garantir os seus direitos e a sua autonomia, tendo em vista que é notória a desigualdade da mulher em relação ao homem, no nosso país, em termos de salário, jornada de trabalho, pequena representatividade nas grandes empresas, diminuta participação percentual em elevados cargos públicos e na política, etc. Ademais, não vislumbro que a diferenciação de tais preços, como estratégia de marketing, possa desvalorizar e/ou inferiorizar a mulher. Ao contrário, tal prática permite que a mulher possa optar por participar de tais eventos sociais”.

 

Por último, a magistrada registrou que não cabe ao Judiciário estabelecer o valor a ser cobrado pelos ingressos de determinado evento – maior ou menor para homem e mulher, uma vez que a análise do custo/benefício econômico é do empresário (fornecedor de produtos e/ou serviços), que assume os riscos da atividade econômica. “A intervenção do Poder Judiciário na esfera privada deve ser mínima, em casos excepcionais, com a máxima prudência, sob pena de gerar desequilíbrio econômico indesejável, insegurança jurídica para quem se dedica a investir no setor privado, além de representar uma verdadeira afronta ao princípio da livre iniciativa”, concluiu.

 

A parte autora apresentou recurso à sentença, que deverá ser analisado agora por uma das Turmas Recursais dos Juizados Especiais do DF.

 

Processo Judicial eletrônico (PJe): 0718852-21.2017.8.07.0016

 

Fonte: TJDFT

Compartilhar

Vídeos relacionados