Ginecologista fala sobre procedimento não invasivo que promete rejuvenescimento vaginal | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Uma nova estratégia para aumentar o desejo feminino e tratar doenças como, incontinência urinária, recuperar a mucosa vaginal, melhorar a fibra de colágeno, rejuvenescimento vaginal, melhora da contratura da musculatura vaginal (que ajuda no desempenho...

vaginoplastia, hinem, cirurgia, mulher, vagina, saúde, ressecamento

Ginecologista fala sobre procedimento não invasivo que promete rejuvenescimento vaginal

Publicado por: TVCARUARU
08/05/2017 21:22:09

Uma nova estratégia para aumentar o desejo feminino e tratar doenças como, incontinência urinária, recuperar a mucosa vaginal, melhorar a fibra de colágeno, rejuvenescimento vaginal, melhora da contratura da musculatura vaginal (que ajuda no desempenho sexual) chega ao Brasil. Trata-se da aplicação do laser dentro e fora da vagina . Por se tratar de um método pouco invasivo e virtualmente desprovido de efeitos adversos, auxilia diretamente na área da ginecologia.

 

A falta de libido é uma das principais queixas femininas em relação a vida sexual. De acordo com estudo da Universidade de São Paulo, uma em cada quatro brasileiras afirma que seu desejo não é tão forte quanto gostaria ou relatadificuldades para chegar ao orgasmo. Dra. Heloisa Brudniewski explica que otratamento com laser integra a categoria dos lasers não ablativos. Ou seja, não queimam.

 

“Para mulheres que querem melhorar o libido o aparelho age por um mecanismo indireto. Sua aplicação trataria, na verdade, a atrofia da parede vaginal – problema apresentado especialmente por mulheres na pós-menopausa. A condição causa dor durante a relação sexual, fator que pode levar à redução do desejo.” Explica Dra.Heloisa Brudniewski Ginecologista e Obstetra.

 

Aplicado dentro da mucosa vaginal por meio de uma ponteira específica, promove o intumescimento do tecido da região com aumento da vascularização. Com isso, há maior produção de colágeno. O colágeno é a proteína que dá sustentação à pele. O processo resultaria em alguns benefícios. “O estreitamento vaginal obtido pela produção de colágeno é capaz de permitir um contato mais íntimo durante a relação sexual e, por consequência, uma melhora tátil”, completa a ginecologista.

 

As aplicações são feitas em consultório. Em geral, são necessárias de uma a três sessões, dependendo das condições da paciente.

 

Além da atrofia vaginal, a tecnologia está sendo usada no tratamento do ressecamento vaginal e da incontinência urinária, condições que costumam aparecer com maior frequência após a menopausa. Uma de suas vantagens reside no fato de ser uma opção pouca invasiva, permitindo que a mulher retorne às suas atividades em seguida à aplicação.

 

Dra. Heloisa Ferreira Brudniewski - CRM 112.934

Ginecologia e Obstetrícia

Graduação em Medicina - Faculdade de Medicina do ABC (SP)

Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia - Faculdade de Medicina do ABC

Especialização em Videolaparoscopia e Histeroscopia - Faculdade de Medicina do ABC

Especialização em Uroginecologia - Faculdade de Medicina do ABC

Estágio em Cirurgia Minimamente Invasiva e Uroginecologia no Baptist Hospital of Miami (Miami-Florida/ USA)

Curso de Treinamento em Cirurgia Robótica em Orlando, no Florida Hospital Celebration Health (Miami-Florida/ USA)

Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia (Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia - TEGO)

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar