O sexo moderno: Mulheres tiram de letra e homens ainda tem muito o que aprender | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Especialista em psicologia do homem fala sobre a banalização do sexo e como isso afeta as relações com as mulheres Não é de hoje que as mulheres estão ascendendo na sociedade. Elas, que antes só eram valorizadas na administração do lar, hoje, são empre...

sexo, tesão, disfunção, eretil, carinhos, preliminares, banalização, ejaculação, precoce

O sexo moderno: Mulheres tiram de letra e homens ainda tem muito o que aprender

Publicado por: TVCARUARU
12/10/2016 12:16:54

Especialista em psicologia do homem fala sobre a banalização do sexo e como isso afeta as relações com as mulheres

 

Não é de hoje que as mulheres estão ascendendo na sociedade. Elas, que antes só eram valorizadas na administração do lar, hoje, são empreendedoras, administram empresas, multinacionais, cidades e países. Naturalmente, com o despertar desse poder e com a oportunidade de mostrar o seu real valor, o sexo feminino não se contenta mais com qualquer coisa. Para os homens, impressionar uma mulher se tornou muito mais difícil. E de acordo com a psicóloga Carla Ribeiro, o problema começa com o próprio homem, porque este tem muita dificuldade de acompanhar esta evolução feminina.

 

“Querendo ou não, a maioria dos homens ainda pensa como um homem de 40 anos atrás. Alguns homens tem uma ideia muito pobre quanto ao sexo. Um relacionamento sexual pouco criativo e com experiências que não satisfazem a mulher de hoje. É necessário que os homens entendam, que hoje as mulheres tem vontades diferentes e ele precisa conhecer aquela com quem ele está no momento. Cada mulher tem sua caixinha de segredos a ser descoberta, e será por aquele homem que tiver mais paciência e ambição de se envolver num caminho de sedução e prazer ”, explica a psicóloga.

 

Especializada em saúde do homem, Carla diz que a postura retrógrada do homem começa desde que ele é ensinado a ser um homem por sua família. E pode ser reforçada nas primeiras relações sexuais e no convívio num ambiente machista “ As mulheres estão mas exigentes, querem ter mais prazer e os homens precisam estar envolvidos nisso. Se o homem ainda acreditar que somente seu prazer é importante, irá comprometer sua relação com aquela mulher. Mesmo que seja no sexo casual, os homens e mulheres querem se satisfazer sexualmente, querem se ver importantes e valorizados naquele momento da relação sexual”, argumenta Carla.

 

Segundo a especialista, o sexo precisa ser visto como algo que faz parte da vida de cada um de nós. Como explica Carla, a sexualidade está em nós desde que nascemos e ao longo do nosso crescimento cognitivo e fisiológico, iremos aprender a lidar com nossa sexualidade conforme nos foi ensinado. Mas é justamente neste momento infantil que vão sendo apresentado valores e conceitos distorcidos, errados e duvidosos para esta criança, que podem permanecer até a fase adulta. As mulheres são mais curiosas, buscam mais informações sobre sexo e aprendem um pouco mais. Mas os homens acreditam que “já nascem sabendo”, tudo sobre sexo e muitos convivem o resto da vida com uma visão errada sobre o que é sexo de verdade.

 

Outro problema sério citado pela psicóloga, que aborda o cenário sexual e pode complicar bastante as relações, é a ejaculação precoce “O maior empecilho entre o problema e o tratamento, é o próprio homem. Ele tem essa dificuldade de admitir para si mesmo que existe um problema. Em 90% dos casos de EP é por questões psicólogicas, mas mesmo assim deve ser investigado por um médico urologista. E confirmado a demanda psicológica, ser encaminhado ao profissional especializado em Sexualidade Humana.

 

De acordo com Carla Ribeiro ”Sexo saudável é quando as parcerias se comprometem a descobrirem um ao outro sem medo. O investimento nas preliminares é o primeiro passo para que a prática sexual fique ainda melhor, onde o homem e a mulher descobrem seus gostos e suas limitações. Sexo é também sinônimo de saúde, bem estar, de bom humor, alegria de viver, disposição. Sexo é sinônimo de humildade para aprender. E muita coragem de assumir as emoções e as sensações prazerosas que o sexo proporciona”, finaliza.

 

Serviço: Carla Ribeiro

Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem


Comentários