Como sair de um luto, psiquiatra descreve | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Luto normal X luto patológico O processo de luto pode não ser apenas por conta da morte de alguém querido, pode estar relacionado ao conhecimento de diagnóstico de alguma doença, separação, falência financeira e por aí vai. É uma reação absolutamente n...

luto, tristeza, morte, choro, psicologia

Como sair de um luto, psiquiatra descreve

Publicado por: TVCARUARU
21/09/2016 11:30:35

Luto normal X luto patológico

 

O processo de luto pode não ser apenas por conta da morte de alguém querido, pode estar relacionado ao conhecimento de diagnóstico de alguma doença, separação, falência financeira e por aí vai. É uma reação absolutamente natural que o ser humano faz para se adaptar, mas o psiquiatra Dr. Daniel Sócrates da capital paulista, conta que para algumas pessoas o luto deixa de ser uma reação esperada e revela um sofrimento mais intenso e contínuo de perdas, configurando-se o chamado “luto patológico” ou “luto complicado”.  

 

“As alterações nos sentimentos iniciais podem ir desde raiva, culpa, ansiedade, solidão, nó na garganta, vazio no estômago, aperto no peito, falta de ar, fraqueza, boca seca, confusão, preocupação, descrença, alucinações, distúrbios de sono e apetite, choro, comportamento aéreo e isolamento social. Saber identificar algumas fases no processo de luto pode ajudar a compreender algumas atitudes e se livrar dessas reações psíquicas“, comenta Dr. Daniel. 

 

Sócrates descreve as cinco fases: 

 

  1. Negação e Isolamento: a pessoa nega a existência do problema ou situação; são mecanismos de defesa contra a dor psíquica diante da perda. A intensidade e duração variam e geralmente esta fase não persiste por muito tempo.
  2. Raiva:  a pessoa expressa raiva pelo ocorrido e acompanhado a este sentimento podem vir revolta, inveja e ressentimento. Muitas vezes estas emoções são projetadas para o externo, hostilizando o ambiente e tornando os relacionamentos mais difíceis.
  3. Barganha: a pessoa busca fazer algum tipo de acordo para que as coisas possam voltar a ser como antes. Há uma tentativa desesperada de negociação com a emoção ou com àqueles que julga “culpados” por sua perda; pactos e promessas são comuns e geralmente ocorrem em segredo.
  4. Depressão: sofrimento profundo, a pessoa já não consegue negar as condições em que se encontra. Acompanha-se uma grande introspecção e necessidade de isolamento quando começa a tomar consciência de sua debilidade física; as perspectivas da perda são claramente sentidas. Trata-se de uma atitude evolutiva: negar, agredir, se revoltar, fazer barganhas não adiantou, surge então um sentimento de grande perda.
  5. Aceitação:  percebe-se e vivencia-se a aceitação dos acontecimentos, a pessoa se prontifica a enfrentar a situação com consciência das suas possibilidades e limitações. A aceitação não é um estágio feliz, ela é quase destituída de sentimentos.                                                                          

 

O especialista conta que estas fases não são necessariamente experienciadas por todas as pessoas e nem sempre são vivenciados na mesma ordem. As variações de sentimentos, de sensações físicas e o tempo para que o luto chegue ao fim depende muito da maneira que se age para enfrentar a situação e assim, não deixar que o luto deixe de ser “normal“ e passe a ser um novo “problema“.

 

“É importante reconhecer um “luto normal” daquele que acaba dando à pessoa a incapacidade de lidar com a perda e acaba por se envolver em um processo cíclico de prejuízos: perde a vontade de trabalhar, de realizar as atividades cotidianas, diminuir sua qualidade de vida, e assim sucessivamente“, completa o psiquiatra.

 

FONTE: Dr. Daniel Sócrates

 

Graduado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU - Uberlândia/MG) em 2005, residência médica em psiquiatria pela Fundação Hospitalar de Minas Gerais (FHEMIG - Belo Horizonte/MG) em 2007, especialista em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP - São Paulo/SP) em 2008, doutor em Psiquiatria pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP - São Paulo/SP) e Membro da Câmara Técnica de Psiquiatria do Conselho Regional de Medicina (CREMESP - São Paulo/SP).


Vídeos relacionados
Comentários