Atentados não devem agravar a intolerância | TVCARUARU.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Bruna Furlan*    Os temas relacionados aos mundos árabe e islamita são sempre objeto de dúvida, polêmica e questionamentos, todas as vezes em que ocorrem atos terroristas praticados por grupos muçulmanos, como os cruéis ataques do Estado Islâmico (ISIS...

islã, muçulmanos, islâmico, terrorismo, terror, intolerância, imigrantes, descendentes, refugiados, fanáticos, religiosos

Atentados não devem agravar a intolerância

Publicado por: TVCARUARU
06/01/2016 08:34:44

Bruna Furlan*

 

 Os temas relacionados aos mundos árabe e islamita são sempre objeto de dúvida, polêmica e questionamentos, todas as vezes em que ocorrem atos terroristas praticados por grupos muçulmanos, como os cruéis ataques do Estado Islâmico (ISIS) dias 12 e 13 de novembro, que mataram 44 pessoas em Beirute, no Líbano, e 129 em Paris, na França. Por isso, é pertinente um esclarecimento sobre a questão, inclusive para evitar ondas de intolerância contra imigrantes, descendentes e refugiados.

 

        Em primeiro lugar, deve-se entender que os muçulmanos, de maneira geral, não são fanáticos religiosos e tampouco violentos. Há grupos radicais, uma minoria dentro do grande universo islamita, que faz da religião uma justificativa para a guerra. Também é importante entender que árabe, que caracteriza uma etnia, não é sinônimo de muçulmano, que define o adepto de uma religião, o islamismo, criada por Maomé. 

 

É pertinente esclarecer essas questões, para que não surjam generalizações, distorções, intolerância e mal-entendidos, nem aqui, ou em qualquer parte do mundo, neste momento de grande e justa comoção relativa aos recentes atentados. No Brasil, é muito grande a presença da comunidade árabe, incluindo imigrantes e descendentes. São 12 milhões de pessoas.

 

Árabes são todos os povos do Oriente Médio e do Norte da África que falam essa língua e têm origem semítica. Globalmente, o Mundo Árabe corresponde a 21 países: Arábia Saudita, Argélia, Bahrain, Comores, Djibouti, Egipto, Emirados Árabes Unidos, Iémen, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Mauritânia, Marrocos, Omã, Qatar, Somália, Sudão, Síria e Tunísia. Há, ainda, a Autoridade Palestina, que busca converter-se em país, mas segue inserida no Estado de Israel.

 

       O islamismo tem duas grandes correntes: os xiitas e os sunitas. O Estado Islâmico é sunita. Afeganistão, Paquistão, Turquia e Irã, por exemplo, são países de população predominantemente muçulmana, mas não são árabes. Em alguns países não-árabes da África, na Europa, nos Estados Unidos e em todas as nações há islamitas, embora sejam minoria no Ocidente. Dentre os povos árabes há numerosos cristãos (ortodoxos, melquitas, maronitas e evangélicos).

 

      É preciso entender, também, que os adeptos da religião muçulmana não são fanáticos religiosos e violentos, como ocorre com o Estado Islâmico, a Al-Qaeda e algumas outras facções. Milhões de islamitas, assim como pessoas de outras religiões, sofrem contra a violência das guerras, perseguições e discriminações. Por todas essas razões, não pode haver intolerância e preconceito contra árabes e pessoas adeptas da religião muçulmana, por sua etnia e crença. Os refugiados, em ambos os casos, são tão vítimas do radicalismo e do terrorismo quanto os libaneses e franceses que pereceram nos últimos e covardes atentados.

 

Analisar esse assunto é muito pertinente neste momento, não só devido ao choque mundial ante a violência do terrorismo, como pelo fato de estar em tramitação, na Câmara dos Deputados, a nova Lei de Migração (Projeto 2.516/2015), já aprovada no Senado. A matéria tem como princípio os direitos humanos e modifica paradigmas do Estatuto dos Estrangeiros, o qual substitui, revertendo o caráter punitivo da legislação em vigor, criada durante o regime militar. É garantida a igualdade de direitos aos imigrantes e cidadãos nacionais e o acesso à Previdência Social ao brasileiro emigrante. 

 

       A nova norma estabelece, ainda, sanções rigorosas às condutas relacionadas à exploração criminosa do fluxo internacional de indivíduos. Também visa contribuir para o desenvolvimento nacional. Por isto, estrangeiros com capacitação científica, tecnológica e cultural contarão com facilidade na obtenção de vistos temporários e autorização de residência. Outra lei importante aprovada no Senado e em tramitação na Câmara dos Deputados é a antiterrorismo. 

 

        Em todos os seus aspectos, trata-se de uma lei condizente com a pluralidade e tolerância da sociedade brasileira, um exemplo para o mundo quanto ao respeito e à convivência harmoniosa de distintas etnias, religiões e ideologias. Poderíamos definir nossa nova Lei da Migração como uma norma regulamentadora da paz! 

 

*Bruna Furlan, pós graduada em Gerenciamento de Cidades pela FAAP, é deputada federal (PSDB-SP), vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara e presidente da Comissão Especial da Lei da Migração. Atua em entidades como AACD, APAE e GRAACC.

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar